Crianças e a ingestão ou aspiração de objetos.

Não é difícil perceber como as crianças, principalmente as mais novas, costumam ser muito curiosas, afinal, é uma fase de grande desenvolvimento e descobertas. Quando as crianças têm idade entre 1 e 3 anos uma tática muito utilizada como forma de exploração do ambiente é a via oral e qualquer objeto encontrado pode ser ingerido. Por isso é necessário ter muito cuidado com a ingestão de objetos inapropriados, que podem levar a graves resultados.

Riscos

Muitos não se atentam que nesta idade, os pequenos conseguem levar objetos até a boca, mas não tem os dentes suficientemente desenvolvidos para segurá-los ou então mastigar determinados alimentos. Com a frequência respiratória mais alta nessa idade há uma contribuição para que facilmente alimentos lisos e escorregadios, como uvas e azeitonas, deslizem podendo ocasionar asfixia. No Brasil, alimentos como milho, amendoim e feijão causaram a maioria das ocorrências em crianças de idade pré-escolar.

As ocorrências também acontecem em outras faixas etárias e grupos de risco. Em crianças maiores e adolescentes predominou a aspiração não alimentar, principalmente de material escolar. Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2012, 756 crianças de até 14 anos morreram vítimas de sufocação. Ainda assim, a maioria dos casos atendidos é de crianças em torno dos três primeiros anos de vida, com prevalência de meninos.

Sintomas

O acidente por ingestão ou aspiração de corpo estranho permanece como grave problema de saúde no grupo pediátrico. Nem sempre há manifestação de sintomas, mas quando aparecem, podem ocorrer vômitos, dor para engolir e sialorreia (escoamento de saliva). Em situações com corpo estranho, pode haver obstrução parcial, causando dor de garganta, tosse, dificuldade para falar e ruído respiratório. Ou obstrução total, provocando a impossibilidade de respirar, tentativa de falar ou chorar sem som, palidez, cianose, agitação, perda de consciência.

Quando os corpos estranhos se encontram no intestino ou estômago, a maioria é eliminada de forma natural e não costumam apresentar sintomas. Corpos estranhos não perfurantes podem ficar até três semanas no estômago, até a sua eliminação. Em algumas situações relacionadas as vias aéreas, pode haver predominância de sintomas respiratórios, podendo chegar até a parada respiratória, obstrução parcial ou total da passagem de ar. Podem ser situações fatais, sobretudo em crianças menores de um ano de idade.

Soluções

Na suspeita de ingestão ou aspiração de corpo estranho, deve-se levar a criança para o serviço de emergência para que seja feita avaliação clínica e Raio X. O médico decidirá se deve ser realizada endoscopia (no caso de ingestão) ou broncoscopia (no caso de aspiração). Além de serem métodos diagnósticos, realizam o tratamento na maioria dos casos.

Corpos estranhos no trato gastrointestinal são comuns e o procedimento para sua retirada pode ser realizado na clínica Digest, com uma equipe muito experiente e confiável.

Existem muitas recomendações para ajudar na prevenção, como ter supervisão direta a brinquedos e outros objetos de risco ou não fazer a disponibilização do acesso a estes objetos, mantendo fora do alcance das crianças e cortar, partir ou triturar os alimentos em pedaços de tamanho pequeno.

 

Fonte: Sociedade de Pediatria de São Paulo - Diretoria de Publicações 

(47) 3222-3344 Seg. à Sex. das 07hs às 18:30hs
Sábado somente com horário marcado
Entrega de resultado: Seg. à Sex das 08hs às 18hs
Sobreaviso 24 horas - (47) 3036-6000
LocalizaçãoClique e veja no mapa